6

5 Dicas de gestão para o negócio atacadista e distribuidor

A forma com que os negócios são geridos diz muito sobre o futuro das organizações. E num tempo de incertezas e constantes inovações, a corrida por manter um negócio atacadista e distribuidor relevante e competitivo requer uma gestão altamente arrojada, flexível e estratégica.

De acordo com a Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores de Alimentos Industrializados (ABAD), uma das organizações que mede o desempenho do setor, em 2016 (último relatório divulgado), o segmento faturou mais de 250 bilhões de reais no país, o que o coloca entre os protagonistas da economia de bens no Brasil.

Sendo assim, os empresários do ramo têm muita concorrência, além da própria dinâmica do mercado exigir constante evolução, controle de processos e luta por redução de custos.

Neste artigo, reunimos algumas dicas para a gestão do segmento.

Confira!

5 Dicas de gestão de negócio para o atacadista e distribuidor:

1. Usar a tecnologia para otimizar processos

Há algum tempo o Brasil é o principal hub de tecnologia da América Latina. De acordo com a consultoria IDC, as empresas brasileiras são responsáveis por 45% do mercado de TI na região.

Portanto, não é possível falar em dicas de gestão em negócio atacadista e distribuidor sem que a tecnologia seja um dos conselhos.

A boa notícia é que está cada vez mais barato e fácil adquirir e implementar sistemas, equipamentos e serviços tecnológicos. Cabe a cada empreendimento entender quais são suas necessidades de otimização de processos para escolher as ferramentas de TI ideais.

2. Entender que tecnologia não é custo, e sim investimento

Uma excelente maneira de promover o uso da tecnologia é reconhecendo que ela não é um gasto, mas sim um investimento. Basta olhar, por exemplo, para a redução de custos conseguidas ao inserir coletores de dados no processo de inventários e controle de estoques.

Quanto mais tecnológicos são os processos, melhores são os resultados (inclusive se pensarmos na questão da redução dos erros e retrabalhos).

3. Criar uma cultura de inovação dentro da empresa

Outro ponto importante é tratar a inovação para além do discurso. É preciso pensar em formas de inovar em produtos, serviços e processos. E inovar, nós sabemos, não é necessariamente criar algo maravilhoso. Muitas vezes, fazer diferente o que já vem sendo feito pode ser uma forma de inovação.

Para que a inovação se torne orgânica, no entanto, é preciso criar uma cultura de inovação no empreendimento. Todas as pessoas envolvidas no dia a dia corporativo, dos operários à alta hierarquia, precisam estar atentos à necessidade de inovar, intercambiar ideias, promover mudanças que facilitem a quebra de paradigmas.

A criação de um comitê de inovação, formado por pessoas de diferentes áreas, para pensar formas de sair do comum e estabelecer novas criações, pode ser uma boa escolha.

4. Recolher feedback dos colaboradores de forma recorrente

Também nesta nova perspectiva de gestão, o negócio atacadista e distribuidor deve romper com a máxima tradicional de que as pessoas devem simplesmente fazer o que foram contratadas para fazer.

Romper as barreiras simbólicas da hierarquia para que os colaboradores possam dar feedbacks, propôr mudanças, discutir processos etc. pode ser muito útil. Afinal, quem está no dia a dia da operação pode perceber muitas coisas que os acionistas e diretores demorariam muitos anos (ou gastariam muito dinheiro com consultorias externas) para perceber.

Assim, vale a pena fortalecer os canais de comunicação interna, estabelecer uma ouvidoria, recompensar boas ideias… Quanto mais os colaboradores contribuírem, mais integração e satisfação o negócio vai promover.

5. Calcular o ROI de suas ações de gestão e marketing

Por fim, não poderíamos finalizar um artigo sobre dicas de gestão para negócio atacadista e distribuidor sem falar na mensuração de resultados.

O dia a dia operacional é tão cheio de desafios que, muitas vezes, os executivos esquecem de calcular o retorno sobre os investimentos (ROI) em ações de gestão e, principalmente, de marketing.

Só que sem medir o que se conseguiu com os recursos financeiros, humanos e tecnológicos fica difícil saber se o negócio está no caminho certo.

É com o ROI, por meio de indicadores de desempenho bem definidos e métodos claros, que o negócio atacadista e distribuidor consegue estabelecer planos de ação e tornar a gestão mais estratégica e segura.

Que tal, você gostou das nossas dicas de gestão para negócio atacadista de distribuidor? Deixe seu comentário!

Compex Tecnologia

São mais de 17 anos de mercado, levando tecnologia a todo Brasil.

6 Comments

    • Olá Cecilio, todo material que temos disponível está disponível em nosso blog e site, caso queira entender melhor sobre nossos equipamentos podemos tratar disso por e-mail.

      Abraços,
      Compex Tecnologia

  1. Gostei muito,das informações, vou assumir um cargo de gerente num atacado de alimento, gostaria de mais informações.

    • Olá Sandra!

      Entraremos em contato contigo por e-mail para entender a sua necessidade, obrigado!

      Abraços,

      Compex Tecnologia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *